5 Frases (não-impossíveis) de Allan Holdsworth

5 Frases (não-impossíveis) de Allan Holdsworth

“Eu nunca quis realmente tocar guitarra.”

Allan Holdsworth completa dizendo também que nunca gostou tanto de guitarra. Gosta de ver os outros tocando, mas ele mesmo, não. Veja o vídeo:

Apesar dessas palavras, Allan se tornou um dos guitarristas mais respeitados que já pisaram nesse planeta.

Pelo fato de Allan ter sempre buscado soar como instrumentistas de sopro, e não como guitarristas, seus solos são de grande complexidade melódica e técnica. Holdsworth explorou como ninguém as digitações de 4 notas por corda e levou a técnica de legato (ligados) a um outro patamar.

Apesar de a grande maioria do trabalho de Allan parecer ser muito difícil de ser tocado, separei aqui 5 frases / licks relativamente simples de serem tocadas e que ajudam a entender um pouco suas linhas melódicas.

Confira a seguir o vídeo com as 5 frases e, abaixo, as tablaturas com os áudios.

1) Devil Take The Hindmost

Nesta frase feita em cima de uma base em Gm7, Allan começou com duas notas do arpejo de Gm7 (quinta e sétima) e, a partir daí, foi utilizando passagens cromáticas entre as notas já no segundo compasso.

O quarto compasso é bem marcante pela sonoridade outside, com notas nada comuns ao acorde da base, gerando muita tensão. Porém, na metade do 5º compasso, Allan já retorna para as notas da pentatônica m7 de G, com a nona adicionada.

Ah, se você ainda não domina a escala pentatônica menor 7, confira esse artigo.

allan holdsworth licks Devil Take The Hindmost


2) Downside Up

Esta é uma frase em que o solo acompanha mais a harmonia. Durante os três primeiros acordes, Allan utilizou notas dos arpejos com as técnicas de legato (ligados) e slide.

Já no quinto compasso, ele utilizou cromatismo apenas para ir da nota sol até mi bemol, com notas sequenciais, diferente das aproximações cromáticas usadas no sétimo compasso.

allan holdsworth licks Downside Up

Está gostando da lição?

Deixe seu e-mail abaixo para te avisarmos sobre as próximas!


3) Metal Fatigue

Apesar de Allan ter utilizado alavanca para fazer os vibratos até o terceiro compasso, você pode fazê-los horizontalmente para simular esse efeito, como fiz no vídeo.

Nesta frase, você deve tomar bastante cuidado para que as notas ligadas soem sempre sem interrupções entre as notas, de forma contínua e em volumes parecidos.

No oitavo compasso, comece decorando a frase para depois praticar lentamente no ritmo e, aí sim, ir aumentando a velocidade.

Metal Fatigue Solob


4) The Things You See

O solo desta música começa com uma harmonia estranhamente simples para os padrões de Holdsworth –  Ab e Db. A escala utilizada é a de Ab, com muitos ligados. Assim, enquanto ocorre o acorde de Db, Allan reforça a sonoridade lídio, com a quarta aumentada de Db, mas de repente, torna a quarta justa (sétimo e oitavo compassos), causando uma certa estranheza ao som.

allan holdsworth licks The Things You See


5) Tullio

Este é um trecho bem simples de se tocar, mas o que torna mais interessante é a harmonia que está por trás.

A frase é repetida duas vezes, de forma idêntica. Porém, na primeira vez, a harmonia é: Am7(9) | F7M(#11). Já na segunda, o F7M(#11) é substituído por um Esus4, dando criando uma sonoridade bem interessante.

allan holdsworth licks Tullio


Espero que essa lição tenha conseguido aproximar um pouco mais você da mente de Allan Holdsworth e que você tenha se inspirado. Allan mostrou que não precisamos ficar tentando soar como guitarristas só porque somos guitarristas. A busca pela inspiração deve vir da música em si.

É guitarrista, professor de guitarra e administrador de empresas por formação. Curte postar vídeos no Instagram, ouvir blues, assistir filmes nas horas vagas e também está no Facebook . Faz parte do time do Music Clan e da Revista Guitarload.